segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Do Passado

Já não sei precisar a idade que tinha, talvez uns seis ou sete mas sei que foi a primeira vez que andei de barco. Já não sei até onde fui mas sei que foi dali que parti. 

   À cerca de vinte anos atrás isto era um lugar diferente. Havia sempre gente, ouviam-se os gritos das crianças à volta. Hoje ouve-se o vento nas árvores. Hoje o rio está sozinho, como a maior parte do parque que o rodeia. Hoje já não há barcos a levar a pequenada na sua primeira viagem, hoje quase que não há cais. Já não é um ponto de partida, muito menos de chegada. Hoje quase que não é um ponto de passagem. Mas eu continuo a gostar de passar por lá. Continuo a gostar de ficar por lá, a pensar em tudo o que aquilo já foi, e em tudo o que eu já fui ali. E já fui muito feliz.








 












 


Tânia Albuquerque